quarta-feira, 16 de março de 2011

Dama de Gris


"Varda Elentári by Maija Pietikäinen"

   Pelos idos de uma vida ignorada, divago na divisa de um mundo não mais meu. Nesse buraco azeviche, eu saboreio as lagrimas desse dom incompreendido. Gentil me era a Dama de Gris, mas onde ela está agora? Sinto falta de sua proteção durante a passagem para o mundo onírico. A hoste devastadora tenta-me estilhaçar, procuram minha dor. Doentes são e, apesar de tudo, nada mais. Busco um lume que me leve para onde habita meu brilho de inspiração. O entalhe do progenitor deixou-me a bela insígnia do Senhor do Reino do Inanimado de Essência Ambulante e Difusora de Ânimo. O Alquimista do elixir da longa noite transforma tormentas em doces baladas ternas de sonhos eternos. Meu pensamento torna o mundo de cá ínfimo aos olhos do espírito. Meus sonos buscam uma ilha além do céu e do inferno, onde os anjos são apenas anjos e o tempo humano não principiou. Macero minha imaginação buscando até a última gota de êxtase. Assim, fluo pelo mar do entendimento vendo além das brumas do ceticismo. Libertando-me dessa estase mental, bebo desse rio amalgamado que é a vida além do véu da ilusão do chamado real. Cheio e fluente de tudo que me é bom e me ascende ao amor imortal, divino e universal. Mergulho no inverno de minha alma e faço lá brotar relva verde. Essa vida acende meu espírito e como grande obelisco de fumaça minha imaginação alcança o céu. Seja o meu equinócio da vida e da morte um momento eterno equiparado ao desejo de deus de amar os homens. Navegando numa esquadra de nuvens, viajo por estrelas de diamante, antes grafite fora do papel. A melodia que os ventos cantam é muda aos meus ouvidos, mas meu peito vibra cada nota do bom destino. Era sobre era, meus ramos abraçam o mundo e abaixo de mim só há luz, nunca sombras. Mil livros escrevi, mil vidas narrei, mil vezes morri e após todas elas ressurgi para encantar um novo alguém. E para sempre abdiquei da minha terra natal mudando-me para um mundo tão belo e leve quanto uma gota de orvalho no fundo duma tulipa.

7 comentários:

  1. Lindo o texto, de uma sensibilidade ímpar. Pra ler e saborear....

    Sucesso!!
    Bj
    Pri
    www.mmdesaltoalto.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. muito bom seu texto, vc tem muito talento pra escrever.me visite sigo todos que me segue! http://anavidadeestilista.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Parabéns amigão, voce conseguiu me impressionar denovo!

    ResponderExcluir
  4. Cra vc escreve muiyo bem, um texto curto mas bastante profundo.

    ResponderExcluir
  5. Seu texto é ótimo, li o inicio e quando vi já estava no fim...parabéns!

    ResponderExcluir
  6. Texto surpreendente, muito bom, Já havia lido em outra passagem por aqui seus textos. A música combina muito bem com o que vc escreve. Legal, mesmo.

    já estou seguindo.

    www.heitor-falcao.com

    ResponderExcluir

Críticas, sugestões, elogios são sempre bem-vindos!
Mas por favor, seja honesto e comente apenas se tiver lido o texto!